domingo, 26 de fevereiro de 2012

Nascer após a morte


No momento em que percebeu que aquele era seu último suspiro, prendeu a respiração. Não queria ir, embora fosse impossível permanecer. Suas últimas palavras não poderiam ser dirigidas a uma enfermeira
assustada, sua única companhia. 
Engoliu a fala. Restos de uma vida reduzidos em um leito de morte, sinalizados por um único fio condutor, que já não sustentava seu corpo. Não aguentou segurar o ar e, com um amargo sopro, faleceu. Morto, assistiu ao filme de sua vida. Metade era censurada. A outra metade, memórias inventadas. Morreu em si o que nunca fora vivido. Talvez, enfim, pudesse nascer de novo.

8 comentários:

Contradita disse...

Morte e vida estão entrelaçadas e mais próximas do que imaginamos.

Não é tênue a linha.

Existir não basta, viver nem sempre é possível.

Que possamos ter coragem de não desperdiçar essa chance, hoje.

Um beijo sua lindeza.

Priscila Rôde disse...

Vida e morte, tão juntas. Tão dentro. Às vezes morremos tanto, tantas vezes, mas, só percebemos depois, já (re)nascidos.

Um beijo.

Carol Righetto disse...

Às vezes deixamos morrer tantas coisas para que possam viver.
Outras tantas carregamos de vida para que nunca morram, para que caibam em um suspiro.

Bjos.

Talita Prates disse...

Que não seja fim. Que seja fênix.

Um beijo, Nan.

Nina disse...

E o que era cor, virou cinza.
O que era pranto, virou manto.
E o que é a vida se não uma morte cotidiana?

Gostei muito do texto!

Ayanne Sobral disse...

Ai, Nanda!
Seu texto me doeu como a dor que ele escancara, que é dor de parto. Que é dor de todas as pequenas mortes que - embora mortes e, por isso, dolorosas - são tão necessárias quanto o é respirar. Às vezes, pra matar uma dor é preciso morrer com ela.
"Porque eu preciso morrer, sempre, todos os dias – audaciosa e voluntariamente. Então escrevo. E ninguém percebeu, além de mim, mas acabei de nascer. De novo." Escrevi isso, um dia. E, hoje, pude sentir novamente cada uma dessas letras.


Linda, você. Obrigada por escrever.
Um beijo.

Alicia disse...

Nanda, seu texto me lembrou a crueza do livro "Uma duas" da Eliane Brum.
Leia, por favor, sério. É muito o seu texto. Imagino que vc deva gostar muito.

Beijos.

Joselito de Souza Bertoglio disse...

muito bom sentir teus textos, são muito suaves de se ler, parabéns pelo belo blog, já estou seguindo e voltarei mais vezes, eu escrevo alguns versos e te convido pra fazer uma visita http://joselito-expressoesdaalma.blogspot.com ficaria feliz com a sua visita ao meu humilde espaço, parabéns por este belo espaço, um forte abraço!!!

Postar um comentário